Fibria News

Contatos das Assessorias de Imprensa

Fleishman HillardNacional
Andrea Donadio
Tel.: (11) 3185 9934
Daniele Camba
Tel.: (11) 3185 9939
Célia Nogueira
Tel.: (11) 3185 9923
Pauta 6 ComunicaçãoES e BA
Rogéria Gomes
Tel.: (27) 3235 6996
Performa ComunicaçãoInterior de SP
Luciana Navarro
Tel.: (67) 3522 9838
(12) 99679 8423
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205
Performa ComunicaçãoMS
Luciana Navarro
Tel.: (67) 9803 7092
Laila Rebecca
Tel.: (12) 99679 8331
(67) 3522 9838
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205

Atualizado em 01.07.2015

MídiaReleases

1 de julho de 2015 - Produtores Rurais de Selvíria serão beneficiados pelo Programa Colmeias

fibriaTrês Lagoas, 1º de julho de 2015 – Com o intuito de fomentar os múltiplos usos das florestas plantadas de eucalipto e contribuir com o desenvolvimento das comunidades vizinhas onde atua, a Fibria assinou o termo de parceria com 40 novos apicultores do município de Selvíria (MS), que integrarão o Programa Colmeias.

Realizado há seis anos em Mato Grosso do Sul, o programa contribui para a melhoria da qualidade de vida dos apicultores, gerando trabalho e renda, por meio do desenvolvimento e aperfeiçoamento da cadeia apícola. Nas últimas duas safras (2014/2015) foram produzidas 217 toneladas de mel na região.

A maioria dos novos apicultores reside em propriedades vizinhas às áreas da empresa no município de Selvíria. “Como já desenvolve o PDRT na região, surgiu a oportunidade de integrá-los ao Programa Colmeias. Após alguns diagnósticos realizados no início de 2015, iniciou o processo de formalização da associação de apicultores, tendo como sócios agricultores familiares, moradores da área urbana, produtores e vizinhos rurais”, diz a consultora de Sustentabilidade da Fibria, em Três Lagoas (MS), Evânia Lopes.

Com esta adesão o Programa Colmeias terá a participação de 139 apicultores que integram cinco associações. “A Fibria trouxe mais uma oportunidade para fortalecer a nossa geração de trabalho e renda, que é a produção de mel, e estamos muito ansiosos para começar a trabalhar”, afirma o presidente da Associação de Apicultores de Selvíria (APISEL), Marcos Saram.

De acordo com Evânia, o próximo passo é a entrega das colmeias para os apicultores e o início das capacitações técnicas. “Essas atividades abordarão questões de segurança, preparo de colmeias para a instalação, como fazer uso do pasto apícola nas florestas de eucalipto da Fibria para a produção de mel, entre outros temas que irão possibilitar o início da atividade”, diz Evânia.

O pasto apícola é a floresta plantada de eucalipto que a Fibria possui na região e disponibiliza para os apicultores instalarem as colmeias. “Para a instalação dos apiários é feito o georeferenciamento, ou seja, um estudo em que mapeamos estrategicamente a distribuição de todas as colmeias e levantamos a época da florada do eucalipto para que a produção do mel possa ser potencializada. Em Selvíria, a extensão do pasto é de 14.180 hectares”, explica Gustavo Zapata, proprietário da Zapata Consultoria que auxilia o programa Colmeias em todas as unidades da Fibria.

 

Fomento da cadeira produtiva do Mel
Com o apoio da Fibria e parceria entre o Instituto Votorantim e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foram investidos mais de R$ 1 milhão na construção e compra de equipamentos para duas Casas do Mel, localizadas e Brasilândia e em Arapuá, distrito de Três Lagoas.

No distrito de Arapuá, a Casa do Mel já está operando e foi inaugurada no mês de março de 2015. Toda a estrutura física do local foi edificada e equipada com maquinários para o processamento e envasamento do mel.

No município de Brasilândia, já havia uma estrutura, porém, devido ao planejamento para dobrar a produção faltavam equipamentos para o processamento e envasamento do mel. Com esse apoio, o local será ampliado fisicamente e equipado para atender a demanda dos apicultores. “A intenção é que, com essas duas Casas do Mel, a produção possa ser certificada e disponibilizar a venda do mel para compras públicas, com o objetivo de fortalecer as associações e agregar mais valor à renda dos apicultores envolvidos”, finaliza Evânia.

<< VOLTAR