Contatos das Assessorias de Imprensa

Fleishman HillardNacional
Andrea Donadio
Tel.: (11) 3185 9934
Daniele Camba
Tel.: (11) 3185 9939
Célia Nogueira
Tel.: (11) 3185 9923
Pauta 6 ComunicaçãoES e BA
Rogéria Gomes
Tel.: (27) 3235 6996
Performa ComunicaçãoInterior de SP
Luciana Navarro
Tel.: (67) 3522 9838
(12) 99679 8423
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205
Performa ComunicaçãoMS
Luciana Navarro
Tel.: (67) 9803 7092
Laila Rebecca
Tel.: (12) 99679 8331
(67) 3522 9838
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205

Atualizado em 17.02.2016

MídiaReleases

17 de fevereiro de 2016 - Portocel atinge a marca de 90 milhões de toneladas de celulose

portocel_celuloseO Portocel, terminal especializado na movimentação de produtos florestais e que é operado em sociedade pela Fibria (51%) e a Cenibra (49%), alcançou  em janeiro a marca de 90 milhões de toneladas de celulose embarcadas ao longo de sua história de mais de 30 anos de atividade. A marca foi alcançada no dia 27 de janeiro com o embarque de 51.500 toneladas de celulose da Fibria no navio MV Brassiana, com destino ao porto de Port Arthur e Mobile, ambos nos Estados Unidos.

Localizado em Barra do Riacho, Aracruz (ES), Portocel é o porto mais eficiente do mundo na movimentação de celulose. O terminal tem produtividade média de 24 mil t/dia de celulose por navio. Para se ter uma ideia do significado desse número, os portos de Baltimore (Estados Unidos) e Flushing (Holanda), que estão entre os melhores do mundo, movimentam, respectivamente, 16 mil e 18 mil t/dia de celulose.

Além de embarcar toda a celulose produzida pela Fibria no Espírito Santo, pela Cenibra (MG) e pela Veracel (BA), Portocel também movimenta a celulose de outras empresas do setor. O terminal responde por cerca de 60% da celulose que o Brasil exporta e tem o menor custo operacional do país, segundo observa Patricia Dutra Lascosque, diretora-superintendente de Portocel.

Segundo ela, graças à cultura de alto desempenho da empresa aliada ao comprometimento das equipes, a movimentação de celulose alcança marcas cada vez mais expressivas, o que também pode ser creditado ao mercado aquecido no setor. “A cada um ano e sete meses alcançamos a marca de 10 milhões de toneladas embarcadas”, enfatizou Patricia.

 

<< VOLTAR