Fibria News

Contatos das Assessorias de Imprensa

Fleishman HillardNacional
Andrea Donadio
Tel.: (11) 3185 9934
Daniele Camba
Tel.: (11) 3185 9939
Célia Nogueira
Tel.: (11) 3185 9923
Pauta 6 ComunicaçãoES e BA
Rogéria Gomes
Tel.: (27) 3235 6996
Performa ComunicaçãoInterior de SP
Luciana Navarro
Tel.: (67) 3522 9838
(12) 99679 8423
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205
Performa ComunicaçãoMS
Luciana Navarro
Tel.: (67) 9803 7092
Laila Rebecca
Tel.: (12) 99679 8331
(67) 3522 9838
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205

Atualizado em 07.07.2015

MídiaReleases

6 de julho de 2015 - Fibria inova e otimiza o transporte de madeira em MS

IMG

Carrocerias foram adaptadas para suportar um volume maior de carga

Três Lagoas, 6 de julho de 2015 – Após três anos de estudos e pesquisas, a Fibria desenvolveu um projeto inovador de carroceria para caminhões tritrens, que permite otimizar o transporte de madeira com o aumento de 19% de volume por viagem e ganhos ambientais.

Além do aumento de capacidade também houve economia de combustível, que resultou na diminuição de emissão de gases que provocam o efeito estufa, contribuindo com a preservação ambiental e a qualidade de vida das comunidades por onde a frota de caminhões circula.

O novo modelo de carroceria para tritrens foi desenvolvido e patenteado pela Fibria, a partir de uma parceria com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Os estudos tiveram início em 2009 e foram concluídos em outubro de 2013.

A Unidade da Fibria em Jacareí (SP) foi a primeira a testar o novo modelo que, após os resultados satisfatórios, começou a ser implantado em outras unidades. Em Mato Grosso do Sul, 100% da frota já está operando com a nova capacidade de transporte. “Além das unidades nos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, também estamos utilizando este modelo na unidade de Aracruz (ES)”, diz o consultor de Operações Florestais, Marcelo Claus.

O diferencial da nova carroceria está na estrutura de aço, que teve a redução de seis toneladas em sua composição e ganhou mais resistência. Tecnicamente, o design foi alterado, houve o rebaixamento da altura do pescoço e foram utilizados materiais metálicos mais leves na construção da carroceria. “Buscamos otimizar a eficiência para transportar mais volume sem aumentar a frota e, os custos, além de minimizar os impactos ao ambiente. Dessa forma, procuramos novas alternativas alinhadas a estudos e testes que resultaram na construção de um veículo mais leve, e com aumento no volume transportado de madeira por viagem”, explica Claus.

<< VOLTAR