Fibria News

Contatos das Assessorias de Imprensa

Fleishman HillardNacional
Andrea Donadio
Tel.: (11) 3185 9934
Daniele Camba
Tel.: (11) 3185 9939
Célia Nogueira
Tel.: (11) 3185 9923
Pauta 6 ComunicaçãoES e BA
Rogéria Gomes
Tel.: (27) 3235 6996
Performa ComunicaçãoInterior de SP
Luciana Navarro
Tel.: (67) 3522 9838
(12) 99679 8423
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205
Performa ComunicaçãoMS
Luciana Navarro
Tel.: (67) 9803 7092
Laila Rebecca
Tel.: (12) 99679 8331
(67) 3522 9838
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205

Atualizado em 04.01.2016

MídiaReleases

4 de janeiro de 2016 - Fibria e Instituto Marcos Daniel registram ave rara em Reserva localizada em Linhares

jacu-estaloAracruz (ES) – Uma espécie rara e criticamente ameaçada de extinção foi registrada recentemente na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Recanto das Antas, situada no município de Linhares (ES). Trata-se do Neomorphus geoffrovi dulcis (jacu-estalo), ave característica da Mata Atlântica, de ocorrência natural no Espírito Santo, leste de Minas Gerais e norte do Rio de Janeiro.

O registro foi realizado pela equipe do Programa Pró-Tapir, iniciativa desenvolvida pelo Instituto Marcos Daniel, com a parceria da Fibria, cujo objetivo é elaborar ações para a conservação da anta. Para monitorar o maior mamífero terrestre brasileiro, a equipe instalou armadilhas fotográficas, na RPPN. Além da anta, muitas outras espécies da fauna têm sido registradas e, neste caso em particular, a boa notícia foi o registro fotográfico do jacu-estalo.

“São escassos os registros desta espécie nos últimos 50 anos, visto que suas populações são naturalmente muito baixas e pouco se sabe sobre a ecologia dessa ave. Nas áreas da Fibria, por exemplo, esta é apenas a segunda vez que conseguimos registrar a espécie”, explicou José Francisco Pissinati, técnico de Pesquisa de Campo do Centro de Tecnologia da Fibria. O primeiro registro do jacu-estalo, segundo ele, ocorreu em 2007, na mesma Reserva.

O jacu-estalo faz parte da lista vermelha da fauna criticamente ameaçada de extinção no Espírito Santo, além de compor também a lista de 2014 de espécies criticamente em perigo do Ministério do Meio Ambiente.

O registro desta espécie da fauna silvestre, sabidamente ameaçada de extinção e de ocorrência natural em baixo nível populacional, ratifica mais uma vez a assertividade do modelo de manejo adotado pela Fibria, segundo observam Reginaldo Mafia, coordenador de Proteção e Recursos Naturais do Centro de Tecnologia da empresa, e Andressa Gatti, coordenadora do Programa Pró-Tapir.

 

<< VOLTAR