Contatos das Assessorias de Imprensa

Fleishman HillardNacional
Andrea Donadio
Tel.: (11) 3185 9934
Daniele Camba
Tel.: (11) 3185 9939
Cel.: (11) 95500 5651
Célia Nogueira
Tel.: (11) 3185 9923
Cel.: (11) 98999 0069
Pauta 6 ComunicaçãoES e BA
Rogéria Gomes
Tel.: (27) 3235 6996
Performa ComunicaçãoInterior de SP
Luciana Navarro
Tel.: (67) 3522 9838
(12) 99679 8423
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205
Performa ComunicaçãoMS
Luciana Navarro
Tel.: (67) 9803 7092
Laila Rebecca
Tel.: (12) 99679 8331
(67) 3522 9838
Fernanda Turco
Tel.: (12) 98158 4205

Atualizado em 03.06.2015

MídiaReleases

3 de junho de 2015 - Aldeias de Aracruz coletam mais de 1.730 quilos de sementes de árvores nativas

image1Projeto desenvolvido por Fibria e Kambôas Socioambiental tem o objetivo de restaurar com espécies nativas nos corredores ecológicos que fazem parte do território indígena

Aracruz (ES) – Mais de 1.730 quilos de sementes de 67 espécies de árvores nativas foram coletadas, no 1º quadrimestre de 2015, exclusivamente dos fragmentos florestais situados em nove aldeias indígenas de Aracruz (ES) que participam do Plano de Sustentabilidade Tupinikim e Guarani (PSTG), desenvolvido pela Fibria em parceria com a Kambôas Socioambiental. Com esse resultado, o programa já atingiu 64% da meta traçada para todo o ano de 2015.

Participam do projeto 62 famílias das aldeias Areal, Comboios, Córrego do Ouro, Pau-Brasil, Piraqueaçu, Três Palmeiras, Caieiras Velhas, Boa Esperança e Olho D’água. De acordo com a consultora de Sustentabilidade da Fibria, Claudia Belchior, o objetivo é a formação de corredores ecológicos nas terras indígenas.

Ela explica que a técnica utilizada é a muvuca –  mistura de sementes de espécies nativas  que também poderão ser aproveitadas para alimentação e produção de artesanato. “O projeto PSTG compra as sementes e mudas das aldeias e as replanta na terra indígena”, conta Claudia, acrescentando que nos quatro primeiros meses de 2015 a empresa adquiriu em sementes o equivalente a R$ 31,3 mil, o que representa uma geração de renda de R$ 505,27 por família. Em algumas aldeias, a renda média por família chegou a R$ 1,38 mil em quatro meses.

A mesma metodologia é realizada com sementes recalcitrantes que precisam ser transformadas em mudas, como opção para as coletoras. As mudas serão recolhidas em setembro, para o plantio até o fim do ano.

A previsão é de que até o final de 2015 sejam restaurados mais 35 hectares de corredores ecológicos, totalizando 87,7 hectares de corredores já implantados pelo PSTG desde 2012, quando o programa foi iniciado.

Sobre o PSTG – O Plano de Sustentabilidade Tupinikim e Guarani atua com base em três eixos: apropriação de conhecimentos para a gestão territorial e ambiental das terras indígenas, uso sustentável dos recursos naturais e o fundo de apoio a iniciativas comunitárias indígenas. Com foco nesses pilares, são desenvolvidas atividades de fortalecimento dos coletivos; recuperação de sementes crioulas para plantios nas roças e quintais; enriquecimento das terras com sistemas agroflorestais; meliponicultura e restauração florestal.

<< VOLTAR