Fibria entrega Centro de Capacitação de Professores Darcy Ribeiro, reformado em parceria com a Prefeitura de Santos (SP)

Investimento faz parte do Estudo de Impacto da Vizinhança, relacionado à concessão do Terminal do Macuco (STS-07), no Porto de Santos, vencida pela empresa

Santos (SP) – A Fibria, empresa brasileira e líder mundial na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, entrega nesta sexta-feira, 26 de janeiro, a reforma do Centro de Capacitação de Professores Darcy Ribeiro, realizada em parceria com a Prefeitura Municipal de Santos. A benfeitoria faz parte do Estudo de Impacto da Vizinhança, assinado em setembro de 2017, no âmbito da concessão do Terminal de Macuco (STS-07), no Porto de Santos, assumido pela Fibria em setembro de 2016.

Com capacidade ampliada para o treinamento de 3 mil educadores da rede municipal – em 2017 foram treinados 1,5 mil – o Centro de Capacitação de Professores Darcy Ribeiro (localizado na Rua São Paulo, 40, na Vila Mathias) vai suprir as demandas de capacitação e contará com toda a infraestrutura tecnológica e rede wi-fi. Será equipada com 105 computadores e dez lousas digitais conectadas à internet com tecnologia Touch e caneta Touch Screen, que permite a inserção de dados por escrito. As lousas também contam com recursos interativos com suporte a conteúdos da internet e de programas do próprio computador. Segundo a Prefeitura Municipal de Santos, na unidade serão realizadas formações de professores e haverá também calendário de cursos e eventos abertos ao público. O equipamento abrigará ainda a biblioteca Mário Quintana, com mais de 22,5 mil títulos voltados aos professores. O Centro funcionará de segunda a sexta-feira, das 8h às 23h, e eventualmente aos sábados.

O Estudo de Impacto da Vizinhança, assinado entre a Prefeitura de Santos e a Fibria, reuniu um conjunto de ações de mitigação de impactos e benfeitorias ao município, entre elas a reforma do Centro de Capacitação de Professores Darcy Ribeiro. Além da reforma, já foram entregues diversas outras realizações, como os levantamentos topográfico, sócio econômico e cadastral da zona especial de inclusão social I – Nossa Senhora da Aparecida (ZEIS I) e a troca de placas de sinalização vertical no mesmo bairro. A Fibria também entregou à Prefeitura de Santos as informações do Plano de Gerenciamento de Riscos e do tráfego rodoviário de cargas relacionadas à operação do Terminal do Macuco.

“Além do nosso investimento específico no Porto de Santos, a reforma do Centro de Formação de Professores beneficia diretamente o município e seus cidadãos, por meio da educação”, afirma Wellington Giacomin, diretor de Logística e Suprimentos da Fibria. “Essas ações estão em linha com a nossa estratégia de gerar e compartilhar valor com as comunidades onde temos nossas operações, respeitando as pessoas e o meio ambiente”.

A construção do terminal em Santos, de grande importância para o escoamento da celulose produzida pela companhia, já foi concluída. A Fibria aguarda apenas a finalização do processo de alfandegamento para colocá-lo em operação em 2018. A empresa conquistou o direito de usar o terminal ao sair vencedora do leilão público realizado pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), em dezembro de 2015, com lance de R$ 115,047 milhões.

O Terminal do Macuco (STS07) tem uma área total de 33.400 metros quadrados, divididos em dois espaços, um com 20.700 metros quadrados e outro com 12.700 metros quadrados. O prazo de concessão da área para a Fibria é de 25 anos.

O terminal é parte da solução logística para escoar a produção da segunda fábrica de celulose da Fibria localizada em Três Lagoas (MS), que entrou em operação em agosto de 2017, dois meses antes do prazo inicialmente previsto. Resultado de investimentos de R$ 7,5 bilhões, a nova unidade da empresa terá capacidade de produção de 1,95 milhão de toneladas de celulose de eucalipto por ano. Somando a primeira unidade, já em funcionamento na cidade, a empresa passa a ter uma capacidade de produção de 3,25 milhões de toneladas de celulose/ano, o que faz da operação da Fibria no Mato Grosso do Sul uma das maiores fábricas de celulose do mundo.

A Fibria anunciou a expansão de sua unidade de Três Lagoas (MS) em maio de 2015, e os trabalhos começaram em seguida. Ao longo de 27 meses, foram gerados 40 mil empregos em toda a cadeia produtiva, do canteiro de obras da empresa no Mato Grosso do Sul até as operações dos cerca de 300 fornecedores diferentes do projeto.

A nova unidade da Fibria em Três Lagoas (MS) traz uma série de inovações na construção, operação e processos industriais e florestais. Um dos destaques é o viveiro automatizado de mudas de eucalipto a maior inovação tecnológica na área florestal dos últimos tempos. Para atender à demanda de 43 milhões de mudas por ano, especialistas da empresa foram conhecer a tecnologia empregada na fabricação de flores na Holanda. A partir dessa observação, traçaram uma estratégia para criar não apenas o maior viveiro de mudas de eucalipto do mundo, mas também o primeiro totalmente automatizado.

O viveiro automatizado da Fibria apresenta novas tecnologias, como a irrigação automatizada, o que permite o controle detalhado do manejo e da nutrição das plantas, e uma estação meteorológica particular que faz a abertura e o fechamento automático de tetos retráteis de acordo com o clima, aumentando a proteção das mudas na fase mais sensível. A estação também mede a intensidade de energia solar no viveiro, propiciando o melhor controle sobre a quantidade de água necessária às plantas.

“Todas as inovações que implementamos são resultado de muita pesquisa, planejamento, esforço conjunto da equipe e ousadia para enxergar o processo sempre sob novos pontos de vista. É dessa forma que a Fibria incorpora, na prática, a sustentabilidade e a excelência operacional no dia a dia de suas operações”, diz o diretor de engenharia e projetos da Fibria, Júlio Cunha.

Sobre a Fibria
Líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a Fibria é uma empresa que procura atender, de forma sustentável, à crescente demanda global por produtos a partir da floresta plantada. Com capacidade produtiva de 7,25 milhões de toneladas de celulose por ano, a companhia conta com unidades industriais localizadas em Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Três Lagoas (MS), além de Eunápolis (BA), onde mantém a Veracel em joint-operation com a Stora Enso. A companhia possui 1,056 milhão de hectares de florestas, sendo 633 mil hectares de florestas plantadas, 364 mil hectares de áreas de preservação e de conservação ambiental e 59 mil hectares destinados a outros usos. A celulose produzida pela Fibria é exportada para mais de 35 países e matéria-prima para produtos de educação, saúde, higiene e limpeza. Saiba mais em www.fibria.com.br

Mais informações | FleishmanHillard
Assessoria de imprensa Fibria
Andrea Donadio
(11) 3185-9934
andrea.donadio@fleishman.com.br

Marcelo Mota
(11) 3185-9939
marcelo.mota@fleishman.com.br